Com eventos importantes à vista, falar inglês vai ser essencial

Pesquisa revela que Brasil está entre os piores países que falam a língua inglesa, ocupa a
31ª posição. Novos projetos visam mudar essa realidade e universalizar o inglês nas escolas

 

Passada a euforia dos Jogos Olímpicos de Londres, começa a contagem regressiva para as Olimpíadas de 2016 que serão realizadas no Rio de Janeiro. E quem não fala, ou não domina o inglês, deve começar a se preparar desde já, pois esta será a língua oficial da Rio 2016. Porém, o cenário linguístico não é muito animador. A última pesquisa da instituição internacional, Education First (EF), realizada em 2011, mostra que o inglês dos brasileiros é um dos piores do mundo. Em um ranking de 44 países, o Brasil ocupa a 31ª posição ficando abaixo de países como a Argentina, a Guatemala, El Salvador e Índia.

De olho na capacitação da população, a Prefeitura do Rio criou o Rio Criança Global, projeto que visa universalizar o ensino do inglês nas escolas municipais e já capacitou 1,4 mil professores e beneficiou 400 mil alunos do 2º ao 8º ano do Ensino Fundamental. Até 2014, o Rio Criança Global pretende atender todos os 530 mil alunos do 1º ao 9º ano, das 1.066 escolas municipais. Outra iniciativa da Prefeitura é o Previ-Rio Bilíngue, uma parceria com instituições de ensino de inglês para conceder cursos aos dependentes (de 6 a 21 anos) de servidores que ganham até sete salários mínimos.

No mundo globalizado em que vivemos não é novidade para ninguém que falar inglês deixou de ser um diferencial e se tornou um requisito mínimo nos currículos. Diante do imediatismo dos brasileiros, vários cursos prometem ensinar inglês em até 18 meses. No entanto, o que parece ser a solução dos problemas daqueles que não têm tempo a perder, na verdade, pode ser perda de dinheiro. Pelo menos, é o que alerta o gerente de vendas e representante de Cambridge no Brasil Carlos Trindade. Ele explica que na ausência de um órgão fiscalizador, com capital inicial e CNPJ, qualquer pessoa pode abrir um curso livre, que pode ser de qualquer área: informática, música, desenho, língua estrangeira, entre outros.

“Entretanto, devemos diferenciar os cursos intensivos dos cursos rápidos. O intensivo funciona, pois como o próprio nome diz é uma intensificação da carga horária. O curto não, porque você tem aulas duas vezes por semana em um ano e seis meses. É importante lembrar que velocidade não combina com profundidade. O aluno do curso rápido vai falar, mas terá um conhecimento superficial da língua”, assegura Trindade.

Certificações internacionais

Carlos Trindade afirma que dos quatro milhões de candidatos do mundo inteiro a certificações internacionais de Cambridge, menos de 50 mil estão no Brasil. Ele acredita que a baixa procura por parte dos brasileiros está associada ao ensino da língua inglesa ser deixada em segundo plano, e os cursos não incentivarem a busca pelas certificações. Como Cambridge oferece avaliações para diferentes níveis de inglês, Carlos afirma que o índice de aprovação mundial é de 97%.

Para a publicitária e universitária Carolina Menescal, de 25 anos, as certificações fizeram toda a diferença. Mesmo após seis anos estudando inglês e gostando bastante da língua, a jovem não se sentia segura ao falar. Durante o curso preparatório, Carolina foi se aprofundando e em uma viagem aos Estados Unidos, foi a responsável por um grupo de dez pessoas.

“As certificações também me ajudaram em processos seletivos de estágio, pois alguns tinham provas de listening. Como trabalho com linguagens de informática, uso o inglês todos os dias. Mas foi durante a viagem aos Estados Unidos que fui mais testada. Eu era a única que falava inglês, o grupo inteiro dependia de mim”, lembra a estudante de Sistemas da Informação e com inglês aprovado por Cambridge e Michigan.

No entanto, para o estudante de Gestão Ambiental e Engenharia Agrícola e de Recursos Hídricos Daniel Bragança, de 22 anos, ter a certificação e perder o contato com a língua após anos de estudo pode não ser tão válido assim. O universitário que fez curso por seis anos admite que ganhou fluência após um estágio no Jardim Botânico.

“Eu tinha um bom conhecimento no idioma, mas fluência mesmo eu adquiri com o estágio. Como o Jardim Botânico é um dos pontos turísticos mais visitados do Rio, eu tinha contato com falantes nativos. Isso foi uma experiência de grande valor. Hoje, vejo que vale muito mais economizar para um intercâmbio do que passar tanto tempo em um curso”, analisa Daniel.

Além do verbo “To Be”

É comum associar o ensino de inglês nas escolas ao verbo to be. Mas para o professor e especialista em linguística aplicada ao ensino de inglês pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Ricardo Benevides, a língua ensinada nas escolas pode ir muito além. Criatividade e dedicação ajudam a driblar algumas dificuldades e tornam a aula mais interessante. Outro engano é pensar que o inglês instrumental deve ser utilizado somente para a leitura. Sobre as diferenças entre cursos particulares e as escolas regulares, ele destaca que, nas escolas, a flexibilidade para trabalhar os conteúdos é muito maior do que nos cursos, que têm uma metodologia muito rígida.

“Muitos professores acreditam que o inglês instrumental não deve trabalhar a pronúncia. Quem só trabalha com gramática, não dota o aluno de conhecimento. Em uma turma de trinta e cinco alunos da rede estadual, consegui com que os alunos apresentassem trabalhos sobre o meio ambiente. Eles fizeram apresentações musicais e audiovisuais bem legais”, conta Ricardo, que é professor da rede estadual, da rede municipal de Itaboraí, e de um curso particular.

A professora titular da PUC São Paulo, Rosinda Guerra Ramos, cansou de argumentar que o conceito de inglês instrumental voltado somente para a leitura está errado. Para evitar maiores dores de cabeça, a comunidade acadêmica propôs a mudança de nome para “inglês para fins específicos”. Ela conta que a metodologia chegou ao Brasil na década de 1970 para o ensino de francês. Em 1978, a professora Maria Antonieta Alba Celani, da PUC-SP, com apoio do Ministério da Educação e do Conselho Britânico criou o projeto “Inglês Instrumental em Universidades Brasileiras” que, em meados da década de 1980, teve a adesão das antigas escolas técnicas.

“Inglês instrumental e para fins específicos são a mesma coisa em qualquer lugar do mundo, mas no Brasil há essa distinção. O mito de que instrumental é leitura existe, porque no início do projeto verificou-se que os alunos precisavam ler. Então, o foco era esse. Na verdade, trabalhamos com as necessidades dos alunos que precisam saber usar a língua dentro de seus campos de atuação: negócios, vendas, turismo, hotelaria, entre outros”, explica.

Inglês para pilotar

Recentemente 130 pilotos foram reprovados nos testes de inglês da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). De 2007 até fevereiro deste ano, foram avaliados 8.549 pilotos e 2.209 foram reprovados. A avaliação, que dura cerca de trinta minutos, é composta por quatro testes orais individuais nos quais o candidato fala sobre o cotidiano de seu trabalho e propõe soluções para problemas padrão e emergencial, após ouvir as situações. Os testes, realizados por professores contratados pela Anac, são gravados para análise e posterior elaboração de relatórios de avaliação.

Os requisitos de proficiência linguística estabelecidos pela ICAO estão voltados para a avaliação da proficiência comunicativa – as habilidades de falar (speaking) e compreender (listening), requerem o uso de uma escala padronizada para toda a comunidade da aviação – ICAO Language Proficiency Rating Scale. Esta escala define seis níveis de proficiência linguística, variando de Pré-Elementar (nível 1) a Expert (nível 6), englobando seis áreas de descrição linguística: pronúncia, estrutura, vocabulário, fluência, compreensão e interações orais. Pilotos que demonstram proficiência na língua inglesa em nível operacional (nível 4) devem ser avaliados pelo menos uma vez a cada três anos e os que demonstram proficiência em nível avançado (nível 5) devem ser avaliados pelo menos uma vez a cada seis anos. Já quem possui nível expert (nível 6) não necessita ser reavaliado.

Wesley Bonfante, 23 anos, não é piloto, mas resolveu começar a estudar o idioma aos 11 anos de idade em um curso comunitário oferecido por uma igreja e entre idas e vindas nos cursos, somaram-se sete anos de estudos. Formado em Letras, após um Teach Training Course (TTC, especialização oferecida por cursos de inglês) se tornou professor do idioma em um curso particular. Agora, Wesley disputa uma vaga para trabalhar no programa Disney International College, em Orlando.

“Para aprender qualquer língua, a pessoa tem que gostar. Outra coisa que sempre digo aos meus alunos é que a assiduidade é muito importante. Isso me ajudou bastante. Várias vezes estava desanimado ou cansado, mas não deixava de ir às aulas. Atualmente, a internet é um excelente recurso para músicas e vídeos”, incentiva Wesley.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br/editorias/revista/com-eventos-importantes-vista-aprender-falar-ingles-vai-ser-essencial

Advertisements